Imprimir

Entrevista com o Irmão Yun

irmao-yun1) FALE PARA NÓS COMO ESTÁ SUA VIDA E SEU MINISTÉRIO HOJE?

Vivo na Alemanha e estou em uma missão que tem como alvo ajudar cristãos perseguidos de outras nações. Essa missão tem ministrado  principalmente em países ocidentais, em grandes conferências. Eu vejo que Deus está me levantando como uma espécie de João Batista. Meu encargo é por preparar o caminho do Senhor. No passado, as igrejas do ocidente estavam orando pela China. Penso que hoje, a igreja do ocidente não deve mais pelejar pela conversão dos chineses, mas cooperar pela Visão da China – que é levar o evangelho de volta para Jerusalém.

2) COMO O IRMÃO YUN TEM VISTO O MOVER DE DEUS ENTRE OS BRASILEIROS?

Sinto um fardo em meu espírito. Especialmente nessa vez que vim ao Brasil, percebi que a visão que Deus deu para a China – de levar o  evangelho de volta para Jerusalém – pode ser cumprida também através dos irmãos brasileiros. Tenho chorado e clamado para que Deus levante pessoas com esse encargo. Nos últimos dez anos tenho trabalhado em parceria com americanos e europeus. Sou grato a Deus porque eles ouviram e responderam. Contudo, a reação não foi grande. Quando uma nação se torna rebelde ao chamado do Senhor ela pode até mesmo ser disciplinada por Ele. Estou vendo esse “Tsunami financeiro” que se iniciou como uma repreensão de Deus sobre “Jonas”. Deus está disciplinando os países que receberam uma direção, mas escolheram ir por outro caminho e não querem obedecê-lO. Deus irá usar os brasileiros no Seu mover. Convivendo com os europeus, vemos que eles são muito racionais, que buscam somente conhecer doutrinas, teologia. Não adianta confrontar o islamismo ou hinduísmo com teologia. Eles têm suas próprias doutrinas. Também é muito difícil entrar nessa região com americanos, pois há um ambiente muito tenso e hostil contra eles. Vejo tanto a China quanto o Brasil como países que têm um bom relacionamento com os países do Oriente Médio. O evangelho de volta para Jerusalém passa pelo Oriente Médio e, somente, pelo poder do Espírito Santo esses povos serão alcançados.

3) O SENHOR ESTÁ ENVOLVIDO DIRETAMENTE NA EDIFICAÇÃO DE UMA IGREJA LOCAL OU O SEU TRABALHO É DE APOIO A VÁRIAS IGREJAS?

Minha prioridade hoje é compartilhar a visão de levar o evangelho de volta a Jerusalém. Na Alemanha, eu sou pastor de uma igreja chinesa. Como viajo muito para compartilhar a visão, tenho outros pastores que me auxiliam. Meu chamado não é para pastorear uma igreja local, mas encorajar as igrejas a levantar, treinar e enviar discípulos que irão pregar o evangelho em nações não alcançadas.

4) NESSE TREINAMENTO, COMO É A MANEIRA DE DISCIPULADO QUE O SENHOR USA?

Para mim o discipulado sempre está ligado à evangelização. O discipulado não acontece apenas na área do conhecimento. Considero o discipulado uma coisa muito simples. É importante termos em primeiro lugar o fogo da paixão por ganhar almas e depois a formação bíblica para sermos mais bem equipados. Primeiramente, acompanho meus discípulos e acordamos às 4hs da manhã para orar. Faço questão que eles me vejam desde cedo orando e chorando pelas nações. Depois, juntos, decoramos a Palavra de Deus e ministramos na vida uns dos outros. Após esse momento de oração e Palavra, saímos para muitos lugares para pregar o evangelho. Nesse sentido, a primeira coisa que ensinamos, portanto, é o entendimento do chamado e, mesmo que o discípulo sofra ou venha a morrer por Cristo ele o faça com alegria. O missionário precisa ser uma pessoa de oração e estar disposto a sofrer.

5) O SENHOR VÊ A PERSEGUIÇÃO NA CHINA COMO UM FATOR DE CRESCIMENTO E EXPLOSÃO DA IGREJA?

Talvez seja um dos motivos, mas não o vejo como fator absoluto. Além de sofrer perseguição, penso que a igreja tem crescido na China por causa da oração e paixão pelo evangelho. Nossa maneira de orar é muito diferente de vocês no ocidente. O foco principal da oração na China não é pessoal. Geralmente clamamos e choramos muito pelos lugares não alcançados, pelas almas perdidas. Até a maneira do louvor e adoração se diferem. No ocidente temos lindos cânticos de intimidade com Deus. Muitas vezes estamos diante do trono, adorando o Cordeiro e isso é maravilhoso. A visão de adoração que Deus deu à igreja da China não é assim. Além de adorarmos diante do trono de Deus, atraímos a Jesus, para após esse momento, juntos, irmos ao lugar onde não há o evangelho. Nosso maior desejo é, com Jesus, ganharmos vidas para Deus. Penso que por esses motivos, Deus está unindo a igreja do ocidente e da China. Para haver uma influência, um equilíbrio entre a intimidade com Deus e o compromisso com a Grande Comissão. Penso que seria bom para a igreja no ocidente, se traduzíssemos alguns cânticos de missão, que passam a mensagem de morrer pela causa de Cristo.

6) O QUE O SENHOR CONSIDERA COMO PRIORIDADE EM SEU MINISTÉRIO

Minha prioridade é compartilhar e cumprir a visão que Deus me deu de levar o evangelho de volta para Jerusalém. Sou um evangelista. Deus me chamou para pregar o evangelho. Quando vou a algum congresso no ocidente, divido minha mensagem em 3 partes: primeiro, incentivo todos aqueles que não são crentes a se achegarem à presença de Deus e aceitarem a Jesus Cristo; depois, desafio aqueles que já são crentes a tomarem uma decisão e serem verdadeiros discípulos – saírem de dentro dos prédios e pregarem o evangelho debaixo do poder do Espírito Santo com sinais e maravilhas; em terceiro lugar, convido todos aqueles que têm problemas para serem curados no nome de Jesus.

irmao-yun27) DEIXE UMA PALAVRA PARA OS IRMÃOS DA VIDEIRA E PARA A IGREJA DO BRASIL.

A coisa mais importante em nossa vida ministerial é colocar a Grande Comissão em primeiro lugar. Espero que os irmãos no Brasil não sejam espirituais somente dentro dos grandes prédios. Que a igreja possa levar a luz de Jesus para as ruas, salgando os lugares mais corruptos e fazendo toda diferença. Espero que sejamos como a Igreja de Antioquia nessa geração: que não haja somente pastores, mas também apóstolos, profetas, mestres e evangelistas que vão trazer uma grande transformação. No Corpo de Cristo não existe ninguém que seja melhor que o outro. Eu quero abençoá-los para que vocês amem uns aos outros e estejam completamente unidos em Cristo. Que o evangelho prospere e o Reino de Deus se estabeleça na Igreja nessa geração.

Por Pr. Marcos Botelho Chelotti